Três notas breves sobre uma enorme vitória

Raramente umas eleições forma tão fáceis de analisar nos seus resultados e tão difíceis de entender, nas suas causas. O PS ganhou e mais do que ganhar, esmagou. O PSD ficou a milhas dos objetivos; o Bloco e a CDU quase se eclipsaram, como o CDS. O Chega conseguiu o que queria e a Iniciativa Liberal foi a grande surpresa da noite.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone
23:58 30 Janeiro, 2022 | Henrique Monteiro
Em primeiro lugar, o PS. O PS, ou melhor, António Costa. O partido, ou ele, venceram em todos os círculos eleitorais (exceção da Madeira) e por todo o lado. No interior, nas aldeias, nas cidades, nos campos e onde houvesse um eleitor. Tem toda a legitimidade, todas as possibilidades. Tirou ao Presidente da República qualquer peso por ter convocado umas eleições que – pensava-se – para pouco iam servir. Nada disso: as eleições disseram que o povo quer o PS, por muito que a opinião publicada fosse diferente, por muito que as sondagens dessem resultados substancialmente diversos. O povo vai ter o PS por quatro anos no Governo e, se tudo correr bem a Costa, como tem corrido, o atual e futuro primeiro-ministro, pode bem em 2026 sair do Governo para Belém. Se quiser.

Em segundo lugar, o PSD. Ficou, como reconheceu Rio longíssimo dos seus objetivos. Pior, ficou muito longe do que sinceramente pensavam os seus líderes, militantes e apoiantes. Ficou a milhas do que diziam as sondagens e os jornais. Ficou com um líder que não vê que utilidade tem. Ficou com muito pouco, mas vai ter muito tempo para se repensar.

Em terceiro lugar, os extremistas. Portugal votou ao centro, sobretudo ao centro-esquerda e depois ao centro direita. A Iniciativa Liberal, surpresa da noite ao passar sem cerimónia, o Bloco e a CDU, reforçou os mais 70% que o ‘centrão’ do PS e PSD contabilizaram. Desta vez, a maioria dos extremistas eleitos não são da nova nem da velha esquerda. São da direita bafienta. E o que mais espanta é que no BE ninguém se interroga sobre o que correu mal. Para que raio votaram contra um Orçamento quando (aqui sim) foram avisados que era um tiro no pé?

É estranho. Mas o facto de a CDU ter mais deputados do que o BE e a IL ter mais do que qualquer destes partidos é um sinal de que algo diferente se passa.

Como nota suplementar, registe-se o afundanço do PAN e o facto de Rui Tavares ter sido eleito. Para mim, são duas boas notícias.

Henrique Monteiro, Expresso, 31 de Janeiro de 2022

Um comentário sobre “Três notas breves sobre uma enorme vitória

  1. Já disse algures: gostei da vitória do PS, no qual, como toda a família, votei . Mas, como nos ensinou ( ? ) Nelson Rodrigues, “toda a unanimidade é burra”. E perigosa, acrescento eu …

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s