Paulo Freire, herói do Brasil

Na última quinta-feira (25), a Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado aprovou, em caráter terminativo e por unanimidade, a inscrição do educador Paulo Freire no Livro dos Heróis e das Heroínas da Pátria.

A proposta de reconhecimento ao patrono da Educação do Brasil é de autoria da hoje governadora do Rio Grande do Norte, a professora Fátima Bezerra (PT) e sua aprovação em caráter terminativo significa que a matéria não precisará ir ao Plenário, seguindo direto para a Câmara dos Deputados, salvo algum recurso em contrário.

Reconhecer Paulo Freire como um herói da Pátria Brasileira é uma bela maneira de encerrar o ano de homenagens ao centenário de nascimento do pensador que colocou nosso País no mapa mundial da Pedagogia, da reflexão sobre a importância da Educação e abriu os caminhos para torná-la inclusiva, libertadora e transformadora.

Nesses dias sombrios, é reconfortante lembrar que esse Brasil açoitado pela tristeza é capaz de parir gigantes como Paulo Freire, reconhecido no planeta inteiro por sua formulação teórica e sua prática na arte do ensino.

Detentor de 35 títulos de Doutor Honoris Causa concedidos por prestigiadas instituições mundo afora, autor da “Pedagogia do Oprimido” — terceiro livro mais citado em trabalhos acadêmicos sobre ciências sociais em todo o planeta — formulador de uma pedagogia adotada em inúmeros países, Paulo Freire tinha fé no Brasil. Sua grandeza maior foi confiar na nossa gente — na inventividade, na inteligência, na capacidade de compreender e transformar para melhor o seu entorno, ainda que sem a mediação do “conhecimento oficial”.

Paulo Freire é uma revolução exatamente por reconhecer que o camponês iletrado era capaz de muitas leituras: de ler a terra, o céu e o vento.

O grande ensinamento desse gigante é que não existe “O Saber”, mas Os Saberes. E a Educação precisa da promoção de um ensino e de um aprendizado atentos ao conjunto de referências que cada um já carrega consigo.

Como potiguar, tenho grande orgulho de lembrar que a revolução de Paulo Freire começou no Rio Grande do Norte, nas 40 horas de Angicos, uma experiência de alfabetização de adultos naquela pequena cidade, a 180 km de Natal.

Nosso panteão de heróis e heroínas da Pátria reconhece e preserva a memória de 59 personagens fundamentais na construção do País que somos hoje. Lá estão comandantes de batalhas, como Tamandaré e Caxias, combatentes pela liberdade, como Tiradentes, Zumbi, Maria Quitéria e Zuzu Angel e líderes políticos excepcionais, como Arraes, Brizola e Getúlio. Lá também estão gênios como o compositor Villa-Lobos e Santos Dumont.

Mas entre esse 59 nomes, está apenas o de um educador, o jesuíta Anchieta, que cruzou o Atlântico para ensinar uma fé e um saber a povos que já sabiam ler seu território e falavam diretamente às forças da natureza.

O reconhecimento de Paulo Freire como herói do Brasil é muito mais do que levar um educador para fazer companhia ao solitário Anchieta. É abraçar a ideia de que a construção da brasilidade exige que nosso País se olhe no espelho e goste do que vê.

Jean Paul Prates, Jornal do Brasil, 27 de Janeiro de 2021

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s